logoPPVBprpetohor.png

Conheça o poder das Rosas: Receitas e Rituais

Por Helen Pomposelli


Falar de rosas sempre me pareceu uma coisa “boba”, com poucos significados que não fosse o citado por poetas e românticos. De um tempo pra cá, comecei a prestar mais atenção nessa flor que de boba não tem nadinha. Conversei com alguns especialistas que me comprovaram o quanto a rosa é especial. As rosas aparecerem fortemente como um elo entre o espiritual e o físico através de meditações, da aromaterapia, dos simbolismos mediúnicos e da cura.

De um tempo pra cá, comecei a prestar mais atenção nessa flor que de boba não tem nadinha.

Para Amélia Clark, facilitadora e terapeuta da meditação das rosas, esse tema tem um grande valor e simbologia. Para ela é impossível você vê uma rosa e não pensar em algo amoroso. “Ver uma rosa com pétalas abertas ou fechadas lembram o coração. A meditação das rosas de visualização usa as rosas limpando carinhosamente a nossa energia. Usamos a rosa como ferramenta porque é um símbolo forte e mundial de pureza, de amor. A meditação das rosas é um símbolo de amor por nós próprios”.

"Ver uma rosa com pétalas abertas ou fechadas lembram o coração." Amélia Clark

“Rosa é amor incondicional. Dependendo do tipo de rosa, apesar de todas virem da mesma fonte, cada cor tem uma energia diferente que se materializa. A rosa branca tem a frequência do perdão, da libertação da culpa. Já a rosa cor de rosa tem a freqüência do amor singelo, amor quase adolescente da donzela. A rosa da cor amarela traz em si a freqüência do brilho pessoal, da nossa energia rosa solar e trabalha o plexo solar e a rosa vermelha, de transformação e renascimento”, explica Palmira Margarida, autora e doutora em história, que criou o primeiro curso on-line de perfumaria natural do Brasil. Palmira, que trabalha com rosas, ministra a Jornada Mulheres Planta, onde todo mês vivência uma planta.

Para Palmira, a rosa vermelha e a branca são as mais fortes energéticas que movimentam energias mais densas. “ A rosa vermelha é transformação, o renascimento e o chacra sexual, é visceral, primária e ligada à paixão e aos sentimentos. Com ela, você pode transformar essa energia do fogo em algo positivo”. A historiadora conecta as rosas com as Deusas e em seus estudos, faz uma conexão das plantas e os arquétipos femininos. Para ela, as Deusas são criadas a partir da configuração e movimentos que viam na natureza e muitas delas, eram criadas e ritualizadas através das plantas.

“As mulheres cultivavam a cura através do alimento, e começaram a perceber a ligação com essas plantas e entender quais eram as personalidades das plantas. Através disso, as mulheres viram nas plantas o que elas desenharam ou davam características às Deusas”.

Neste caso, a rosa vermelha tem forte conexão com a Deusa do Egito, a Isis. No ritual dela sempre tinha rosas vermelhas, assim como a Maria Madalena, a grande transformação. Já a rosa amarela, tem ligação com as Deusas que tem energia forte como Artemis. Já a rosa cor de rosa é utilizada nos cultos da Afrodite, da donzela e do querer ser amado e da entrega, O fluxo e a planta parecida é a baunilha. Sinestesicamente se as rosas tivesse um tato, a rosa rosa seria um doce, um creme de baunilha, a amarela uma música mais aguda com notas altas, a vermelha seria um veludo pesado, e ao mesmo tempo com o som de tambor e a branca, a Deusa é a Kuanlin, ótimo arquétipo para simbolizar a rosa branca através do perdão, da abertura do coração, boa para trabalhar pelo amor. A rosa branca é um estalo, é muito espiritual. A energia da rosa branca está mais para o Arcanjo Miguel que usa espada, que luta e que é forte. A rosa não é flor fofinha como a flor de laranjeira, por isso a rosa branca é utilizada para fazer limpeza energética e tem presença muito forte.


“Nenhuma rosa é bobinha, elas representam a espiritualidade e são muito sérias. Sou bonita, espirituosa, mas tenho meus espinhos”.

Palmira também ensina meditação onde a rosa é visualizada, mas de forma diferente. “Eu acredito que a rosa tem uma egrégora forte e cada vez mais pessoas canalizam plantas e querem trabalhar. Uma das coisas interessantes, meditação das rosas, existem rosas com outras cores no astral, azul, outro, prateada, vinho, e com o tempo fui percebendo que as cores indicavam processos energéticos de cada um, se manifestam de diversas formas. Sugiro uma prática: Sempre que alguém tiver se sentindo mal, com depressão ou se sentindo sozinha, medite visualizando a rosa cor de rosa abrindo no coração e ao sentir se abrindo, você vai sendo acolhido por ela. A rosa tem o poder de te acolher.”

Outra dica é ter uma rosa em na sua casa por causa da alta frequência e pela facilidade de limpar o ambiente. “Ela doa energia dela pra o ambiente e não absorve. Se tiver uma roseira, melhor ainda! Na medicina popular, as benzedeiras colocam rosa branca na cabeceira da cama para combater sonhos ruins e para ajudar no processo de cura”m, diz.

Para Paula Gribel, especializada em medicina integrativa sistêmica, as rosas fazem parte do seu uso pessoal e nas suas consultas. “Eu amo óleo de rosas. Uso no umbigo, no ventre, orelha e no peito para me conectar profundamente com meu coração”. Paula nos contou uma história linda sobre a flor. “Eu estava na India num templo e depois de muitas orações e meditações, sai do templo e conheci um senhor. Ele era um xamã que cultivava rosas numa área de campo. Eram rosas plantadas em terras maravilhosas e ele rezava cada semente. Das rosas eram extraídas um óleo essencial e eu trouxe dois vidrinhos que uso até hoje. Esse mesmo senhor me ensinou uma técnica que eu amo e uso nas pessoas, que é você colocar o óleo de rosas num algodão, fazer uma oração pra Shiva e deixar numa curva da orelha onde fica o ponto do sistema nervoso simpático. Ótimo para equilibrar o seu corpo, espírito e o chacra do coração. O óleo de rosas pode equalizar todo seu corpo, trabalhando o seu sistema nervoso e equalizando o cérebro com o coração”.



As rosas têm uma variedade de uso. Podemos tomar chás, fazer banhos de rosas e comer pétalas de rosas, usar os florais de rosas. A médica terapeuta holistica Rosele escolheu como símbolo do seu trabalho a rosa e principalmente a cor de rosa por ser a cor do amor, que apresenta a união do branco do divino, do puro, do curativo. “As Rosas sempre me atraíram por sua beleza e grandeza. A branca é a reunião de todas as cores, mescla perfeita do espectro solar, que produz a luz branca original, formando a integralidade do ser. Na luz branca da consciência de Deus não pode haver enfermidades. Quando recebemos o reflexo da luz divina em nós, expulsamos toda a escória e a causa das doenças. Todas as enfermidades se dissolvem à medida que as células do corpo são purificadas e renovadas com a chama puríssima da luz branca. Compreendendo as sete divisões dos raios de cor, vemos a glória essencial da divina radiação cósmica branca, que atua através da fé. Com a rosa cor branca adquire-se a pureza e a ascensão. Repele-se nos corpos: físico, etéreo, mental e emocional, toda a energia desfavorável, as limitações e as depressões. A rosa vermelha age sobre as emoções promovendo a nossa capacidade de realizar concretamente aquilo que desejamos, assim de nos entendermos com as condições concretas e reais em que estamos inseridos. Rege a energia física, ligada à capacidade de criar, à sexualidade e a agressividade. Governa a compreensão da dimensão física. É o centro do qual se experimenta a reação de “luta ou fuga”.


QUER UMA DICA DE CHÁ?

Nossa querida sommelier de chás , Priscila Soares, nos ofereceu uma dica de chá de rosas.

“As rosas brancas são utilizadas medicinalmente e aumentam imunidade, são antifúngicas e antibacterianas, ótimas para o sistema feminino. Utilizo infusão de rosas, normalmente, associada à algum outro componente para equilibrar o floral do aroma e sabor.

1 colher de chá de pétalas ou botões desidratados - se for fresca, sobre a quantidade

200 ml de água ( 80 ºC)

Infusibilidade por 4 min

Se preferir, pode colocar uma colher de chá verde, e uma rama de canela na infusão.

Fica ótimo!

Revista Per Vivere Bene