top of page
logoPPVBprpetohor.png

Conheça o Instituto Brasileiro de Jardins Terapêuticos e as dicas do livro guia de Carla Pimentel

A utilização de espaços verdes ao ar livre na promoção de benefícios é uma tendência mundial e chega com força no Brasil. Uma dessas ações é a criação do Instituto Brasileiro de Jardins Terapêuticos (IBJT) inaugurado no dia 6 de junho, no Rio de Janeiro, que pretende disseminar o conhecimento sobre o uso dos espaços verdes construídos ao ar livre, os quais têm um grande potencial de promover benefícios para a saúde e o bem-estar. Além disso, não podemos deixar de destacar, o aumento da procura do Banho de Floresta , trilhas terapêuticas, como instrumento de relaxamento, cura e equilíbrio da mente, energias e do físico.


Como marco do começo das atividades, foi lançado o livro guia Jardins Terapêuticos em instituições de saúde: benefícios, características e implementação, de autoria da cientista da Sustentabilidade Carla Pimentel, com prefácio da Dra. Eliseth Leão, pesquisadora do Hospital Israelita Albert Einstein, através do selo Gôndola da editora Lacre.



No Brasil e mundo afora, a preocupação com a prevenção de doenças ganhou força nos últimos tempos. Pesquisa publicada no The World Journal of Biological Psychiatry mostrou que ficar mais tempo ao ar livre altera a estrutura cerebral positivamente. Além disso, a prática é tão recomendada que dedicar tempo num jardim ou na natureza se tornou prescrição médica, em países como Escócia, Coreia do Sul e Japão.


A autora do projeto e responsável pelo desenvolvimento do IBJT é a psicóloga, paisagista e cientista da Sustentabilidade Carla Pimentel. Sócia e CEO da CP Paisagismo, Carla tem projetos assinados em vários estados, com ênfase em Minas Gerais. Seus jardins são conhecidos pela riqueza de detalhes, pela beleza e harmonia das misturas de espécies, proporcionando uma contemplação única.


A inspiração


Sempre atenta e determinada, Carla Pimentel aprofundou seus estudos e, já morando no Rio, concluiu o Mestrado em Ciência da Sustentabilidade pela PUC-RIO, cujo foco central da pesquisa foram os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável-ODS 3 (Saúde e Bem-estar), e o ODS 15 (Vida na Terra). Foi justamente o trabalho final do Mestrado, a dissertação Jardins Terapêuticos como uma tendência mundial, que norteou a criação do IBJT.

Os últimos estudos e as inesgotáveis pesquisas sobre o tema levaram Carla Pimentel a definir um nicho de forma mais profunda, gerando o livro guia Jardins Terapêuticos em instituições de saúde: benefícios, características e implementação, (selo Gôndola da editora Lacre), que servirá como referência para arquitetos, paisagistas, profissionais da saúde e para qualquer pessoa interessada em projetar um jardim com foco no bem-estar.




“Jardins terapêuticos são um bálsamo para a alma!", diz Carla.


Para Carla, há grande potencial desses espaços verdes no país. "O Brasil é um dos países com maior biodiversidade do mundo e apresenta variados ecossistemas com diferentes características. Os jardins terapêuticos vão promover uma conexão da pessoa, de maneira individualizada, com o espaço verde e essa ligação vai trazer benefícios para saúde e bem- estar", explica ela, que vê crescer o interesse dos profissionais da área de saúde por esse tipo de tratamento complementar. Carla ressalta, que todos os ambientes de jardim, como praças, parques, ambientes corporativos, ou hotéis, SPAs, casas, fazendas, apartamentos e condomínios podem usufruir deste conceito de jardins terapêuticos, que é totalmente inclusivo.


“Tudo é comprovado cientificamente; os benefícios são uma realidade”, declara.

Na prática, Carla Pimentel ressalta que não se trata de um jardim comum, pois há várias características especiais que devem ser respeitadas para que seja terapêutico. "Para isso, devem exercer a função de gerar bem-estar aos seus usuários, diante da conexão com suas plantas, seus aromas, suas cores, texturas... Por meio desse encantamento, os sentidos são envolvidos e estimulados positivamente", exemplifica Carla, proprietária de uma fazenda com o seu marido, Embaixador Brian Michael Neele, em Saquarema, no litoral fluminense, onde há nascentes de rios, Mata Atlântica e uma flora riquíssima. É neste espaço que já está sendo desenvolvido um projeto inovador e único usando todo o seu conhecimento de cuidados terapêuticos através da natureza.




Dicas para ter um jardim terapêutico em casa:

Escolher classes de plantas que diminuem a ansiedade, o estresse e fazem com que nossos sentidos fiquem mais calmos.

Arbustos

Arbustos possuem propriedades poderosas em nosso corpo e mente. Promovem a saúde e o bem-estar, podem aliviar o estresse e a ansiedade, promover a tranquilidade, o relaxamento e elevar o equilíbrio emocional. Com as mais variadas opções de cor, textura e aroma, a sua manutenção é feita com um solo úmido e rico em nutrientes, com podas e regas regulares para estimular o crescimento saudável.

Observe também o clima da sua região para que possa ter arbustos que são favorecidos pelas temperaturas de onde mora ou vai cultivar o seu jardim. Vamos ver agora algumas opções.

- Lavanda: possui propriedades calmantes e aroma relaxante. Pode crescer até um metro de altura e suas flores são brancas ou roxas. Auxiliam o sono e melhoram as dores de cabeça.

- Alecrim: ajuda a melhorar a concentração e a memória, e podem chegar até os dois metros de altura. Auxiliam no sistema cardiovascular, tem ação cicatrizante e auxilia nos distúrbios digestivos.

- Camomila: é uma planta com flores amarelas e brancas e tem propriedades anti-inflamatórias e calmantes. São usadas para fazer chá e ajudam no combate à insônia e ansiedade. Podem crescer até um metro de altura e são excelentes para dores de estômago e cólicas menstruais.


- Jasmim: com flores amarelas ou brancas, seu tamanho pode chegar até os três metros de altura e é um arbusto que funciona muito bem para jardins terapêuticos noturnos porque libera seu perfume nesse período e pode promover o sono e o relaxamento. Pode melhorar a autoestima e o humor.

- Hortelã: energizante, refrescante e melhora a respiração. Os arbustos de hortelã podem chegar ao tamanho de um metro de altura e suas folhas são verdes com flores roxas ou brancas. Promove a concentração, a redução do estresse e da ansiedade. Pode ser utilizado para dores de cabeça e náuseas.

- Camélia: possui propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias. Estimula o fígado, é uma planta rejuvenescedora e favorece a regeneração da pele. De acordo com a variedade cultivada, podem ter cores variadas, como vermelhas, rosadas, brancas, violáceas ou amarelas.

- Hibisco: traz cor e vida para o ambiente, podendo ser em tons de branco, amarelo, rosa e vermelho. O chá dessa planta diminui a pressão arterial, reduz o açúcar do sangue e favorece a digestão.

Agora que você já sabe sobre algumas das possibilidades de arbustos que você pode ter em seu jardim, vamos ao próximo tópico no quesito vegetação: as ervas aromáticas.



Ervas aromáticas

A conexão com a natureza é fundamental e utilizar ervas aromáticas em seu jardim pode ser um atributo poderoso no cultivo e na promoção de bem-estar de todos os que estão ao redor desse ambiente.

- Cebolinha: com flores roxas e brancas, trará aromas extraordinários para o seu jardim terapêutico.

- Erva-doce: adiciona altura em sua composição e promove um aroma agradável ao seu redor.

- Sálvia: melhora doenças respiratórias e é amiga do ciclo menstrual das mulheres.

- Tomilho: com baixo crescimento, adicionam textura e formas interessantes para o jardim.

- Milefólio: é aromático e possui flores brancas que lembram nuvens.

- Anis-hissopo: com flores vistosas azuis e roxas, é uma opção perfumada para o espaço.

- Orégano: contribui para a adição de formas e texturas do jardim e é um ótimo parceiro culinário.


Flores

Cor e vivacidade são pontos fortes ao adicionar flores vistosas em seu jardim. Existem infinitas possibilidades e até já passamos por algumas delas ao longo de nossa aula, porém chegou a hora de falarmos sobre mais opções para que você tenha em mãos muitas variedades na hora da escolha.

- Rosas: são arbustos com flores em cores variadas e podem crescer até dois metros de altura. Com aroma suave, podem ajudar a melhorar o humor, a autoestima, o estresse, a ansiedade e diversos outros benefícios. Rosas podem ser pontos focais em seu jardim, como por exemplo adicionar um arbusto de rosas coloridas ao redor de uma área com muito verde. Você conseguirá destaque e atenção.

Ora-pro-nóbis: comumente utilizada para cicatrização, a ora-pro-nóbis possui propriedades nutricionais muito poderosas, com alta quantidade de minerais, proteínas e vitaminas. É uma flor linda e que pode agregar ao espaço.

- Fáfia: planta imunoestimulante, calmante e tem sido utilizada até mesmo para tratar problemas gástricos, como úlcera. Ajuda a controlar o colesterol e as folhas são usadas para controlar a febre. São delicadas e agregam aos detalhes do seu jardim terapêutico.

- Equinácea: pode amenizar sintomas de gripe e resfriados e possui características ornamentais. Possui belas flores e é vistosa para os olhos.

- Girassol: uma das plantas com flores mais vistosas e de cor viva, possui inúmeras propriedades para o nosso bem-estar. As suas sementes são amplamente utilizadas para melhorar a saúde do coração, aumentar a saciedade e combater a intoxicação do organismo. Essas são apenas algumas das muitas opções disponíveis para colocar em um espaço terapêutico. Use e abuse da criatividade para trazer cor e riqueza nos detalhes.


Trajetória de Carla Pimentel


Mineira de Itaúna, Carla Pimentel, aos 17 anos, se mudou para Belo Horizonte, onde iniciou a faculdade de Psicologia, e, ao mesmo tempo, deu continuidade ao estudo de piano clássico. Na capital mineira, atuou como psicóloga por aproximadamente 10 anos e, na sequência, se reinventou como paisagista, criando uma empresa, que se tornou uma das mais conceituadas do setor, também em Belo Horizonte.


Sua garra em continuar a estudar a levou para a primeira pós-graduação em Planejamento e Gestão Ambiental, tendo concluído alguns anos depois nova pós em Planejamento Ambiental

Urbano. As diferentes formações acadêmicas trouxeram um novo olhar para Carla, que conseguiu fazer um link entre os aprendizados, trazendo uma nova significação para o paisagismo, um olhar mais humano, sensível e sustentável, visando o bem-estar e a saúde.


Carla tem projetos nos hospitais da Unimed e Rede Mater Dei de Saúde e terá também um novo no Instituto Mário Penna, todos em Belo Horizonte. Prestou serviços para mineradoras com projetos de reabilitação funcional e estética de áreas degradadas. Foi secretária de Urbanismo e Meio Ambiente de Itaúna (MG). Também atua como perita ambiental, avaliando a dimensão de danos cometidos ao meio ambiente e emissão de laudos periciais.




PER VIVERE BENE

Revista Per Vivere Bene

bottom of page